Sou o caminho, a verdade e a vida: ninguém vem ao Pai, senão por mim (Jo 14,6).

XXII SEMANA DO TEMPO COMUM

Oração do dia

Deus do universo, fonte de todo bem, derramai em nossos corações o vosso amor e estreitai os laços que nos unem convosco para alimentar em nós o que é bom e guardar com solicitude o que nos destes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura (Colossenses 1,21-23)

Deus vos reconciliou
para vos apresentar como santos, imaculados.


Há bem pouco tempo, sendo vós alheios a Deus e inimigos pelos vossos pensamentos e obras más, eis que agora ele vos reconciliou pela morte de seu corpo humano, para que vos possais apresentar santos, imaculados, irrepreensíveis aos olhos do Pai.
Para isto, é necessário que permaneçais fundados e firmes na fé, inabaláveis na esperança do Evangelho que ouvistes, que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, fui constituído ministro.
Palavra do Senhor.

Salmo – 53

Quem me protege e me ampara é meu Deus!

 

Por vosso nome, salvai-me, Senhor,

e dai-me a vossa justiça!

Ó meu Deus, atendei minha prece

e escutai as palavras que eu digo!

Quem me protege e me ampara é meu Deus;

é o Senhor quem sustenta minha vida!

Quero ofertar-vos o meu sacrifício

de oração e com muita alegria;

quero louvar, ó Senhor, vosso nome,

quero cantar vosso nome, que é bom!

Evangelho (Lucas 6,1-5)

Por que fazeis o que não é permitido em dia de sábado?



Em dia de sábado, Jesus atravessava umas plantações; seus discípulos iam colhendo espigas (de trigo), as debulhavam na mão e comiam.
Alguns dos fariseus lhes diziam: “Por que fazeis o que não é permitido no sábado?” Jesus respondeu: “Acaso não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os seus companheiros;
como entrou na casa de Deus e tomou os pães da proposição e deles comeu e deu de comer aos seus companheiros, se bem que só aos sacerdotes era permitido comê-los?”
E ajuntou: “O Filho do Homem é senhor também do sábado”.
Palavra da Salvação.


AGIR COM SABEDORIA

Os fariseus estavam atentos ao comportamento dos discípulos de Jesus.

Quando notavam neles qualquer atitude que pudesse conotar desrespeito às tradições religiosas, apressavam-se em censurar-lhes. O alvo das censuras, no entanto, era Jesus.

O fato de os discípulos atravessarem um trigal, em dia de sábado, e apanharem espigas para comer parecia-lhes uma clara infração do preceito do repouso sabático. Este gesto tão simples pareceu-lhes ser contrário à tradição.

Jesus, porém, rebateu a advertência dos fariseus com dois argumentos. Em primeiro lugar, apresentou o caso de Davi, rei tido como piedoso e que não hesitou em comer os pães sagrados, num momento em que teve fome. E ninguém o condenou, embora isso não lhe fosse permitido. Em segundo lugar, Jesus era senhor também do sábado. Por conseguinte, tinha autoridade suficiente para permitir a seus discípulos fazer o que era proibido em dia de sábado. Evidentemente, o Mestre não agia assim por leviandade.

Nem tampouco com o puro intuito de chocar os “piedosos” fariseus. Jesus se diferenciava dos fariseus pelo fato, também, de se recusar a absolutizar as tradições religiosas. O respeito a essas tradições, para Jesus, só tinha sentido quando fosse para o bem das pessoas.

Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica

Oração

Senhor Jesus, livra-me do apego às práticas religiosas, até o ponto de absolutizá-las, deixando-me desumanizar por elas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *